Embora já estejamos familiarizados com o Influenza A (H1N1) e tipos como H5N1 ou H3N2, existem outras variantes de Influenza que infectam humanos e nos causam preocupação.

poultryResearchBlogging.orgO Influenza H7 compreende várias linhagens, H7N7, H7N3 e H7N2 são as que sabidamente infectaram humanos. Algumas linhagens são pouco patogênicas (LPAI) e outras altamente patogênicas (HPAI), a maioria delas circula em aves e vários mamíferos, principalmente cavalos. No Canadá em 2004 e em 2006 na Inglaterra, criadores de aves domésticas contraíram o H7N3, e em 2007, o H7N2 também infectou criadores. Em todos os casos, a gripe teve sintomas respiratórios leves e ocorreu conjuntivite em algumas vítimas. A conjuntivite não é um sintoma comum na gripe sazonal, que contraímos frequentemente.

Já o H7N7, causou mais problemas. Na Holanda em 2003, após um surto H7N7 em aves domésticas, 89 pessoas foram confirmadas com este vírus. Os sintomas respiratórios foram leves a moderados e novamente alguns desenvolveram conjuntivite. Uma morte por pneumonia grave e sintomas relacionados foi registrada. [1]

Outros casos de H7N7 já foram registrados,  todos envolvendo criadores. De patos a uma foca que espirrou em seu tratador, e sempre com a ocorrência de conjuntivite. [2]

Já o H9N2 está restrito a aves, e sua maior proximidade conosco são as aves de criação, principalmente patos e perus. Em março de1999, duas crianças em Hong Kong foram encontradas com este vírus, os sintomas eram febre e irritação na garganta. Ambos os casos se resolveram sem complicações em alguns dias. Aqui, o padrão foi recorrente, embora os casos fossem de regiões distantes entre si, nas duas situações as crianças relataram contato recente com aves de criação. [2]

Em 2003 e posteriormente em 2007, mais uma vez em Hong Kong, este vírus contagiou humanos. Novamente duas crianças. Ambas desenvolveram alguns sintomas de gripe e se curaram. No caso do vírus de 2003, seu material genético apontou a origem do vírus entre as aves de criação do mercado de Hong Kong. Há outros casos registrados, todos na mesma região.[3]

Embora sejam poucos casos de H9 e H7 registrados, e com leves sintomas, estes vírus preocupam por serem algumas das poucas linhagens aviárias transmitidas para humanos e entre humanos, com potencial para originar uma linhagem altamente patogênica diretamente ou por rearranjo com outros tipos de Influenza A circulantes em pessoas.

Uma característica muito preocupante destes casos é a frequencia de criadores contaminados. Afinal, estão diretamente em contato com os animais, muito mais expostos do que a maioria das pessoas. Em um estudo recente com mais de 2000 pessoas de diversas profissões na China  4,5% testaram positivo para anticorpos anti H9, indicando que já teriam entrado em contato com esta linhagem. Entre os vendedores de aves de criação o índice de positivos foi o mais alto, 15,5%. Também foi detectada a resposta contra H5, em 0,2% das pessoas testadas. [4]

Esta associação com criadores e vendedores mostra a importância de se monitorar o tipo de vírus que podem estar contraindo, bem com instruí-los a tomar as precauções para evitar o contágio e a transmissão para outras pessoas. No caso do H9N2, há também a possibilidade da produção de vacinas para os animais domésticos, que deve ajudar a proteger inclusive os donos.

Trabalhadores que estão em contato constante com animais tanto domésticos como silvestres, podem ser uma ponte importante na circulação e transmissão de novas linhagens para os seres humanos.

Fonte:

[1] DEWIT, E., & FOUCHIER, R. (2008). Emerging influenza Journal of Clinical Virology, 41 (1), 1-6 DOI: 10.1016/j.jcv.2007.10.017
[2] Subbarao*, K., & Katz, J. (2000). Avian influenza viruses infecting humans Cellular and Molecular Life Sciences, 57 (12), 1770-1784 DOI: 10.1007/PL00000657
[3] Butt, K., Smith, G., Chen, H., Zhang, L., Leung, Y., Xu, K., Lim, W., Webster, R., Yuen, K., Peiris, J., & Guan, Y. (2005). Human Infection with an Avian H9N2 Influenza A Virus in Hong Kong in 2003 Journal of Clinical Microbiology, 43 (11), 5760-5767 DOI: 10.1128/JCM.43.11.5760-5767.2005
[4] Wang M, Fu CX, & Zheng BJ (2009). Antibodies against H5 and H9 avian influenza among poultry workers in China. The New England journal of medicine, 360 (24), 2583-4 PMID: 19516044