De onde vem o nome H1N1 e todos os outros? O que determina o número de H e N?

ResearchBlogging.org

Estabelecida pela OMS em 1980 [1], a nomenclatura do Influenza A consiste em: tipo de hospedeiro, caso o vírus não tenha sido isolado de humanos; região geográfica de origem; número da linhagem; ano de isolamento e; tipo antigênico das proteínas, descrito pela letra e número, H1 a H16 conhecidos até hoje, e N1 a N9. O Influenza pandêmico atual por exemplo: A/California/04/2009(H1N1) Influenza tipo A, isolado primeiramente na Califórnia, linhagem número 04, ano de 2009 e tipo H1N1. Já o vírus da gripe aviária que matou uma criança em 1997: A/Hong Kong/156/97 (H5N1), Influenza A, isolado em Hong Kong, linhagem 156 do ano de 1997. Um dos vírus mais próximos dele é o A/Turkey/England/91 (H5N1), isolado de perus na Inglaterra em 1991 [2]. No caso de isolados de locais, como lagos ou mares, sem a identificação do animal portador, o tipo de local é usado no lugar da espécie (e.g., A/lake water/Wisconsin/1/79).

As principais proteínas de membrana do Influenza, a Hemaglutinina e a Neuraminidase, são as primeiras a serem reconhecidas pelo nosso sistema imune. E os testes de resposta imunológica (a serem explicados e debatidos em um próximo texto) foram os primeiros desenvolvidos. É com base no reconhecimento de HA e NA por anticorpos que a numeração se baseia. Por exemplo, quando foi encontrada uma Neuraminidase nova em 1957, que não era reconhecida pelos anticorpos para N1, ela passou a ser chamada de N2, a seguinte de N3, e assim vai. Há alguma reação cruzada entre os anticorpos de alguns tipos de HA e NA, como H7 que pode ser reconhecida por anticorpos anti-H3, mas isso não compromete o sistema de nomenclatura.

Larus ridibundus

Larus ridibundus

O sistema de numeração HxNx foi desenvolvido em um período em que não havia a disposição de recursos como os sequenciadores de material genético atuais. Desta forma, a tipagem com base em anticorpos era rápida, simples e dava uma boa idéia do que seria novo ou não. Apesar da impressão que temos, a proximidade de números, como H4 e H5, não implica de forma alguma proximidade dos vírus, e sim ordem de descoberta. Assim, quando foi descoberto um novo tipo de Hemaglutinina em gaivotas da espécie Larus ridibundus (imagem ao lado) coletadas em 1999 na Suécia, embora ela fosse mais parecida com a H13 passou a ser chamada H16, pois eram conhecidas 15 HA até então. O isolado 2 por exemplo, recebeu o nome de A/Black-headed Gull/Sweden/2/99(H16N3) [3].

Abaixo, duas figuras retiradas de um trabalho de 2009 que classificou muitas das sequencias de Influenza A conhecidas [4]. Tratam-se de árvores filogenéticas, que agrupam vírus com uma provável origem comum mais recente mais próximos, ou seja, vírus mais parecidos tendem a ficar mais unidos. A grande diversidade de H1-H3 e N1 e N2 se deve à maior abundância de amostras destes vírus, uma vez que eles são os principais circulantes em humanos e são bem mais amostrados.

Árvore filogenética de Hemaglutina, clique para ampliar. Fonte [4]

Árvore filogenética de Hemaglutina, clique para ampliar. Fonte [4

Reparem como H7 e H15 são próximas, embora seus números sejam bem diferentes. H13 e H16 também são próximas.

“]Árvore filogenética de Neuraminidase, clique para ampliar. Fonte [4]

Árvore filogenética de Neuraminidase, clique para ampliar. Fonte [4

Reparem como N1 e N2 são muito mais amostradas, e vêm se diferenciando ao longo do tempo. Muitas destas mudanças são uma forma do vírus deixar de ser reconhecido por nosso sistema imune e serão discutidas em um outro texto.

Fontes:

[1] (1980). A revision of the system of nomenclature for influenza viruses: a WHO memorandum. Bulletin of the World Health Organization, 58 (4), 585-91 PMID: 6969132
[2] Subbarao, K. (1998). Characterization of an Avian Influenza A (H5N1) Virus Isolated from a Child with a Fatal Respiratory Illness Science, 279 (5349), 393-396 DOI: 10.1126/science.279.5349.393
[3] Fouchier, R., Munster, V., Wallensten, A., Bestebroer, T., Herfst, S., Smith, D., Rimmelzwaan, G., Olsen, B., & Osterhaus, A. (2005). Characterization of a Novel Influenza A Virus Hemagglutinin Subtype (H16) Obtained from Black-Headed Gulls Journal of Virology, 79 (5), 2814-2822 DOI: 10.1128/JVI.79.5.2814-2822.2005
[4] Liu, S., Ji, K., Chen, J., Tai, D., Jiang, W., Hou, G., Chen, J., Li, J., & Huang, B. (2009). Panorama Phylogenetic Diversity and Distribution of Type A Influenza Virus PLoS ONE, 4 (3) DOI: 10.1371/journal.pone.0005022